Passar para o Conteúdo Principal Top
Logótipo

municipio

David Rodrigues apresenta “Troféus de Caça” em Ponte de Lima

Cultura
Anexo sem nome 00174 1 1024 800
30 Abril 2019

A narrativa ficcional “Troféus de Caça”, com prefácio do escritor João de Melo, reeditado pela Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto (AJHLP), será publicamente apresentado, no dia 10 de maio, às 21h30, na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima(BMPL). A apresentação desta obra estará a cargo de Cláudio Lima.

A par da apresentação do livro, realizar-se-á, no mesmo dia, a inauguração da Exposição fotográfica A ILHA DE MOÇAMBIQUE: Património Mundial da Humanidade, do Arquiteto José Manuel Pinto de Oliveira Martins, residente em mato, Ponte de Lima.

Esta exposição ficará patente no auditório da Biblioteca Municipal de 10 a 30 de maio de 2019.

Marque presença na apresentação deste livro e conheça a mais recente produção literária distinto pontelimense.

Sobre o autor:

David F. Rodrigues exerceu, na Escola Superior de Educação do IPVC, funções docentes, entre 1990 e 2010, ano em que se aposentou, com a categoria de professor-adjunto, obtida, por concurso público, em dezembro de 1995. Lecionou disciplinas nos domínios da Literatura, da Língua Portuguesa e da Linguística do Português. Exerceu cargos académicos de natureza científica, pedagógica e técnica. Foi assessor de imprensa da Presidência do IPVC e coordenou o Conselho de Redação da revista IPVC-Academia.

Natural da freguesia Mato, pertencente ao concelho de Ponte de Lima, David F. Rodrigues tem publicados, nos domínios da criação literária, livros de poesia e prosa.

É licenciado (1974) em Filosofia e Humanidades pela Universidade Católica Portuguesa, e mestre (1995) e doutor (2003), em Linguística, especialidade Teoria do Texto, pela Universidade Nova de Lisboa.

Sobre a obra:

Em Troféus de Caça, o autor narra as circunstâncias vividas por uma família rural do Minho, no tempo da Guerra Colonial, acerca da qual verdadeiramente nada sabe, por desinformação política, estrategicamente difundida pela comunicação social, de que o regedor da freguesia é o porta-voz, na defesa do Ultramar. Essa família tem um filho num dos teatros das operações e outro que, uma vez inevitavelmente apurado para todo e qualquer serviço militar, corre o sério risco de ter o mesmo percurso do irmão.