Passar para o Conteúdo Principal Top
Logótipo

municipio

Fim de semana sem descanso no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, com música de alto nível e para todos os gostos

Cultura
Postal tdb miguel estima 1 1024 800
08 Março 2019

Orquestra Jazz de Matosinhos | Sara Correia | Banda do Exército – Destacamento do Porto | Públicos do TDB – Exposição de Fotografia de Miguel Estima

8 de Março de 2019 – 22h00 – Do ballroom à sala de concerto – Uma viagem pelos tempos do jazz com a Orquestra Jazz de Matosinhos

9 de Março de 2019 – 22h00 – Noite de Fado | Sara Correia

10 de Março de 2019 – 16h00 – Banda do Exército | Destacamento do Porto

A encerrar as Comemorações do Dia de Ponte de Lima, cuja Sessão Solene decorreu no passado dia 4 de Março, o respectivo Programa Cultural apresenta três espectáculos musicais de alto nível que preenchem a programação do Teatro Diogo Bernardes que, praticamente, não irá encerrar as portas, tal o número de espectáculos a efectivar no próximo fim-de-semana, quer aqueles que no total se apresentarão ao longo do mês de Março, em que a 27 se celebra o Dia Mundial do Teatro e que, na nobre sala de espectáculos de Ponte de Lima atingirão o significativo número de 15 espectáculos, aos quais se deverão acrescentar os que preenchem a programação do projecto de Descentralização Cultural nas Freguesias do Concelho.

Em paralelo, no espaço do bar do Teatro Diogo Bernardes, estará aberta a exposição de fotografia Públicos do TDB, da autoria de Miguel Estima, patente até Dezembro, que se presenta, segundo o autor, com a colaboração da espectadora atenta Salete Calvinho, da seguinte forma: Uma casa de espectáculos ganha alma e torna-se calorosa com a entrada das pessoas que adentram expectantes, entusiasmadas ou curiosas. É o ritual da espera na fila, da escolha do lugar e por vezes da esperança de haver ainda lugar. Precisa do público como elemento orgânico que preenche e dá vida aos espaços, em torno de um acontecimento artístico que une gente e a nutre através da arte. Esses frequentadores curiosos, que se desejam críticos e atentos ao que no palco acontece. É com o público e com os artistas que o espectáculo acontece, evolui e ganha dimensões peculiares. No Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, o espaço físico é também espaço virtual de memórias, sons, cenas e cenários que inspiraram o projecto e a recolha de imagens que agora vos apresento. As fotografias percorrem momentos diversos, desde o antes ao após espectáculo e permitiram-me revisitar o espaço temporal nos espectáculos que o TDB apresentou entre Fevereiro e Maio de 2014. Espero que a visita que agora vos proponho seja do vosso agrado e a sintam como também vossa a partir de agora.

Voltando aos espectáculos, a abrir este fantástico leque de concertos, o primeiro, intitulado Big Bands: Do Ballroom à Sala de Concerto – Uma viagem pelos tempos do jazz com a Orquestra Jazz de Matosinhos, integrado num conjunto de concertos pedagógicos, contando com a apresentação do seu autor e crítico de jazz Manuel Jorge Veloso, colocará em evidência a importância que as big bands tiveram na História do Jazz, enquanto formação instrumental indissociável da evolução dos vários estilos jazzísticos. E servirá também para cotejar traços distintivos desse percurso, desde os tempos em que as grandes orquestras eram um elemento essencial à dança nos grandes espaços de diversão públicos até à atmosfera calorosa dos pequenos clubes e das mais reputadas salas de concerto.

Percorrendo o repertório do chamado “período de ouro” que ficou a marcar o trajecto das big bands (1925/1955), a Orquestra Jazz de Matosinhos tocará nesta primeira série várias peças-chave das orquestras de Fletcher Henderson, Jimmie Lunceford, Duke Ellington, Count Basie, Benny Goodman, Tommy Dorsey, Artie Shaw, Dizzy Gillespie, Woody Herman, Stan Kenton ou Gerry Mulligan, arranjadores, compositores e chefes de orquestra de referência nesse período.

A 8 de Março sobe ao palco Sara Correia, numa Noite de fado que promete ficar na memória de todos.

Sara Correia acaba de lançar o seu álbum de estreia, homónimo, criado em parceria com o produtor Diogo Clemente.

O álbum foi apresentado pela primeira vez ao vivo, no dia 6 de Setembro, na Praça do Município em Lisboa. Uma noite que ficará certamente marcada na história de Sara Correia, que emocionou todos os que assistiam, numa Praça do Município completamente lotada e totalmente rendida ao talento e presença do furacão Sara Correia.

Para muitos, Sara Correia não será uma nova voz porque é, desde muito cedo, presença habitual nas melhores casas de fado da cidade. E, por isso, canta com a propriedade e força de quem cresceu no fado.

Aos 13 anos consagrou-se vencedora da Grande Noite do Fado e, logo de seguida, foi convidada para cantar numa das mais míticas casas de fado da cidade, a Casa de Linhares. Aí teve o privilégio de cantar e aprender ao lado de grandes nomes como Celeste Rodrigues, Jorge Fernando, Maria da Nazaré, entre outros.

Cresceu e aprendeu a ouvir Amália Rodrigues, “fadista inteira” que a inspirou no caminho que traçou até hoje, em todas as suas vertentes. Mas Sara Correia tem também como referências outras grandes vozes, como Fernanda Maria, Beatriz da Conceição e Hermínia Silva.

Além das casas de fado, já actuou em grandes palcos como o Centro Cultural de Belém, os festivais Caixa Alfama e Caixa Ribeira e foi convidada para cantar no Concerto por um Novo Futuro, na maior sala de espectáculos do país, a Altice Arena.

Esta tão promissora estreia em disco, já se encontra disponível nas lojas e em todas as plataformas digitais.

Por último, na tarde de 10 de Março, com entradas gratuitas, limitadas a 2 por pessoa até esgotar a lotação da sala, o Concerto da Banda do Exército – Destacamento do Porto.

A Banda do Exército – Destacamento do Porto, é criada como consequência das várias transformações e reestruturações levadas a cabo, na organização do Exército Português, desde o início do séc. XIX até aos dias de hoje. Assim, é legítima herdeira das tradições históricas das antigas bandas militares, sediadas na cidade do Porto, nomeadamente a Banda Militar do Regimento de Infantaria N.º 18, Banda Militar do Regimento N.º 6, Banda da Região Militar do Norte, Banda Militar do Porto e demais designações estabelecidas por via das várias reorganizações, ao longo dos tempos, da música militar no Exército.

Dentro da estrutura militar, tem por missão assegurar, no respectivo âmbito de actuação, as normas de protocolo relativas às cerimónias e actos militares e participar em actividades culturais e recreativas da responsabilidade do Exército.

Os elevados níveis artísticos tornaram-na conhecida e estimada não só na região onde está sediada, mas também em outros locais do país onde se tem apresentado. Efectivamente, para além da intensa colaboração e brilhantismo que confere às inúmeras cerimónias e desfiles militares, a sua acção tem sido considerada relevante como elemento de divulgação da cultura musical no seio das populações nortenhas.

Para além das actividades estritamente militares, foi ainda designada para representar o Exército nos festivais de bandas militares, tendo efectuado “Tattoos” nas cidades do Porto, Coimbra, Évora, Braga e Maia.

Em Setembro de 2008 foi convidada a representar o Exército Português no “Encuentro Internacional de Bandas Militares Segovia Military Tattoo 2008”, na cidade espanhola de Segóvia.

Em parceria com a Banda Sinfónica Portuguesa colaborou em Novembro de 2007, 2008, 2010 e Julho de 2012 na realização dos II, III, IV e X Cursos Nacionais de Direcção de Banda com os prestigiados maestros Jan Cober (Holanda), Douglas Bostock (Inglaterra), Eugene Corporon (EUA) e José Rafael Pascual Vilaplana (Espanha), respectivamente.

Em Agosto de 2009 foi convidada a participar no festival anual internacional ClarinetFest 2009, acompanhando reputados clarinetistas solistas internacionais, numa organização da Associação Internacional de Clarinete, na Casa da Música na cidade do Porto.

Passaram por esta banda os mais ilustres maestros de bandas militares, sendo de destacar, os já desaparecidos: Capitão Domingos Caldeira, primeiro maestro de que se tem conhecimento, Capitão João Carlos de Sousa Morais, talentoso maestro e compositor, cujas obras se têm mantido através dos tempos nos mais variados programas de concerto e o Capitão Carlos Soares de Oliveira, maestro ainda hoje muito recordado e tido como referência no contexto de grandes maestros militares. Desde Setembro de 2018, é chefiada pelo Tenente Chefe de Banda de Música, Artur António Duarte Cardoso.

Bilhetes à venda e mais informações no Teatro Diogo Bernardes, pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt.

image title
image title
image title