Passar para o Conteúdo Principal Top
Logótipo

visitar

Dois Reis e Um Sono

Cultura
Dois reis banner 1 1200 800
15 Mar
Adicionar a calendário 2019-03-15 10:37:00 2019-03-15 10:37:00 Europe/Lisbon Dois Reis e Um Sono + Teatro Teatro Diogo Bernardes

+ Teatro

A 15 de março, às 22h00, no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, Dois Reis e Um Sono, de Natália Correia e Manuel de Lima, pelo Teatro Extremo, com encenação de Fernando Jorge Lopes.

Peça escrita por Natália Correia em colaboração com Manuel de Lima, Dois Reis e um Sono conta-nos a história de dois reinos em litígio, sendo a alegórica figura do Sono o motivo da discórdia entre monarcas irmãos. Uma parábola sobre o poder, a vaidade, o consumismo, o amor, a conquista e o uso da liberdade de expressão, mas também sobre qual o limite do nosso livre arbítrio e para onde caminha a Humanidade.

50.ª criação do Teatro Extremo

Prestes a completar 25 anos de existência (em Março de 2019), o Teatro Extremo abre estas comemorações levando à cena “Dois Reis e um Sono” que ficará, para memória futura, inscrita como a sua quinquagésima criação.
Esta peça, inserida no nosso ciclo intitulado “Resgate da Memória e da Beleza ao Público Contemporâneo”, ilustra exemplarmente o caminho criativo realizado pela nossa companhia nestas duas décadas e meia de existência.
Uma arte dedicada às novas gerações, onde a poesia e o trabalho de actor são as palavras chave que desvendam o universo artístico desta estrutura de criação, programação e de animação sócio-cultural educativa, que realiza um serviço público reconhecido não só localmente, mas também por todo o país e inclusivamente no estrangeiro.
Para um teatro que tem por desejo cumprir os fundamentos de uma arte popular sem ser populista e erudita sem ser elitista, é com toda a naturalidade que mergulhamos neste texto de Natália Correia e Manuel de Lima, que escrito há meio século, conserva toda a sua frescura quanto aos motivos que encerra na sua trama.
Procurando ter como referência um público infanto-juvenil, o texto, ao contrário de muitos que procuram a “infantilização” dos públicos a que se dirigem, está pejado de várias camadas de leitura que a todos são dadas a perceber e que contribuem para a seu maior interesse e profundidade.
Tendo como subtítulo “Há grande complicação na corte do mandrião”, esta peça critica não só o imobilismo e a ligeireza com que muitos de nós colocam o seu destino nas mãos de outros (porque é mais cómodo não pensar), mas também expressa inequivocamente uma crítica à cupidez e ganância de quem detém o poder, financeiro ou político, numa sociedade de consumo criada para a crise e para a guerra, tendo por objectivo gerar complicações para vender facilidades, transformando tudo em mercadoria, inclusive até o sono.
Ainda assim os autores não quiseram deixar de nos dar uma nota de esperança, acabando a obra com uma redenção poética em torno do amor, da inteligência, da necessidade de pensar pela própria cabeça e de mudar o estado ao qual chegámos.
De modo a abrirmos mais as portas da percepção ao “espírito” nataliano, convidámos o Armando Nascimento Rosa para nos ajudar na dramaturgia da peça e na sua expressão musical, o qual como homem de teatro e especialista da obra da autora foi essencial para levar a obra a bom porto.
Para ilustrar a peça tanto ao nível dos figurinos bem como do cenário, fomos em busca de uma estética retro-futurista declaradamente inspirada nas primeiras séries de Flash Gordon (1936) ou de Buck Rogers (1939), apresentadas ainda e só no cinema (e que depois foram a fonte de inspiração da saga Guerra das Estrelas por exemplo) e que harmoniza plasticamente reis e princesas, impérios e democracias, naves e espadas, com o nosso imaginário contemporâneo.
A tudo isto tentámos juntar no caminho para a representação, a “loucura” de Alfred Jarry e da sua patafísica, a qual foi fonte de inspiração para os autores da peça na sua carpintaria teatral e salientar ainda as referências clássicas de Natália Correia, colocando o Sono/Hypnos numa dimensão que transvasasse a realidade intrínseca da peça.
Esperemos que o resultado final seja um estímulo para que quem dele usufrui, de modo a que novas interrogações e necessidades daqui nasçam na procura da felicidade e de uma vida melhor, quer no presente, quer no futuro.
Teatro Extremo

Ficha Artística e Técnica

Autoria: Natália Correia e Manuel de Lima;

Direcção Artística: Fernando Jorge Lopes;

Dramaturgia e Composição Musical: Armando Nascimento Rosa;

Elenco: Bibi Gomes, Carlos Sebastião, Fernando Jorge Lopes, Francisca Lima, Jefferson Oliveira, José Graça, José Neto, Rui Cerveira e ainda António Olaio, João Dacosta, João Rodrigues, Josefina Correia, Marta Valente, Victor Pinto Ângelo;

Desenho de Luz e Direcção Técnica: Celestino Verdades;

Cenografia e Adereços: Celestino Verdades, Daniel Verdades e Fernando Jorge Lopes, Maria João Montenegro; Caracterização Especial Ministro Pencudo e Sono: Pessoa Júnior;

Figurinos: Alice Rolo;

Movimento: Maria João Garcia;

Operação de Luz: Daniel Verdades;

Operação de Som e Vídeo: Maria João Montenegro;

Arranjos e Produção Musical em Estúdio: Mário Rui Teixeira;

Design Gráfico e Fotografia: P2F Atelier;

Realização e Edição de Vídeo: António Rodrigues;

Spot Rádio: Paulo Lázaro;

Direcção de Produção: Sofia Oliveira;

Assistência de Produção: Josefina Correia e Paula Almeida;

Comunicação e Assessoria de Imprensa: Nádia Santos;

Promoção: Victor Pinto Ângelo;

50.ª criação do Teatro Extremo

Horário:

22h00

Local:
Teatro Diogo Bernardes
Preço:
4,00 €
Informação adicional:

Os bilhetes (4,00€) serão disponibilizados a partir das 9h00 do próximo dia 19 de fevereiro (terça-feira).

O número máximo de entradas a adquirir será de 4 bilhetes por pessoa, apenas no caso de existirem filas para a procura dos mesmos, podendo ir até ao máximo de 6 bilhetes por pessoa no caso de espectadores que pretendam adquirir a totalidade de lugares de uma frisa ou camarote de 1.ª classe ou camarote de 2.ª classe, com esse número de lugares (6 lugares), conforme constar na planta de lugares publicitada na Bilheteira do Teatro Diogo Bernardes e no website municipal, também apenas no caso de existirem filas para a procura dos mesmos (http://www.cm-pontedelima.pt/thumbs/uploads/writer_file/image/2230/MapaTDB_Final_1_1024_2500.jpg).

Relativamente aos pedidos realizados por correio electrónico, apenas serão atendidos os recebidos a partir da hora e data de disponibilização na bilheteira física, divulgada no mural oficial do facebook, nas mesmas condições acima indicadas e após serem satisfeitas as aquisições presenciais.

Maiores de 6 anos.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt.