Passar para o Conteúdo Principal Top

covid-19_icon_300px-02

Logótipo

municipio

Bichos

Cultura
Bichos evento 01 1 1200 800
25 Jun
Adicionar a calendário 2021-06-25 20:00:00 2021-06-25 20:00:00 Europe/Lisbon Bichos + Teatro Teatro Diogo Bernardes

+ Teatro

A 25 de Junho, às 20h00, o Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, apresenta o espetáculo de Teatro “Bichos” de Miguel Torga pela Companhia Certa.
 
Diferentes entre si nas suas particularidades, estes “bichos”, animais e humanos, estão todos na mesma “Arca de Noé”, a Terra mãe, irmanados numa luta igual pela vida e pela liberdade.
 
VICENTE – ÁGUA
Com Vicente inventamos esta simbólica união de opostos terra e água. Uma estória casa com a outra, inventam pontos de ligação, estratégias de comunhão. “O CORVO leva a Mithra, da parte do sol, a ordem de matar o touro e ele, com pesar, executava a ordem recebida.”
 
MIURA -TERRA
A bela escrita telúrica de Torga convida-nos a meditar sobre a terra, os bichos e o sangue que nos envolverá de espanto. Na terra inventamos o universo teatral do conto Miura.
 
Sobre Bichos, por Ana Paula Mateus*
Marcada pela intemporalidade, BICHOS, a Arca de Noé torguiana, é oferecida ao público em representação teatral - como um privilégio -, e a encenação de apenas dois dos catorze contos que constituem a coletânea, não minimiza o conhecimento profundo e integral da obra. Em todos os textos, deparamo-nos com o esplendor do mistério e da simbiose da vida entre Bichos e Homens, irmãos desiguais da criação divina. De facto, Miguel Torga escreve aqui a essência selvagem da condição humana: o Homem é apenas um bicho natural, igual aos outros bichos, feito de nervos, órgãos, ossos e músculos, capaz de sobreviver com sangue, suor e lágrimas, no agreste mundo natural.
 
Nesta obra, os bichos são, tão somente, metáforas dos homens, perdidos da sua pureza iniciática, traidores da solidariedade umbilical e cósmica pela qual nunca se deveriam ter deixado de reger, nem desrespeitado as leis de um universo infinito que comanda a vida sobre a terra. A contemporaneidade desta obra, publicada em 1940, relembra leitores e espectadores que o nosso mundo e o de Torga continuam iguais, afinal de contas: é urgente que os bichos, animais e humanos, viajando pelo universo na mesma Arca de Noé – a Terra Mãe – se debrucem sobre si próprios e encontrem na naturalidade dos instintos a pacificação das suas lutas: com Deus, com a Natureza ou consigo mesmos, na arena secreta dos seus labirintos interiores.
 
Na obra BICHOS, aprende-se em cada entrelinha e a maior de todas as lições é aquela que Torga deixou sublinhada em cada conto: todos os bichos são humanos e o Homem é, afinal, apenas mais um “bicho da terra tão pequeno” – como há cinco séculos já o definiu Luís de Camões. 
 
*Ana Paula Mateus (docente, escritora) Licenciada em Ensino de Português e Francês pela Universidade do Minho, exerce funções docentes na Escola Secundária de Eça de Queirós. Possui um Mestrado em Teoria da Literatura – variante de Literaturas Lusófonas – pela Universidade do Minho e uma Pós-Graduação em Gestão de Bibliotecas Escolares. Autora do blogue De Profundis. Publicou Sete Estórias do Vento Salgado, 2011 (1º Prémio do Concurso Literário Fundação Dr. Luís Rainha / Correntes D’Escritas); O Guardião do Silêncio, editora Poética Edições, 2015; Toda a Água que nos Une, 2019 (1º Prémio Concurso Literário Fundação Dr. Luís Rainha / Correntes D’Escritas)
 
Encenação e Dramaturgia: José Caldas
Interpretação: Ana Lídia Pereira, Eduardo Faria, Joana Luna, Paulo Lemos e Sara Maia
Criação e Interpretação Musical (ao vivo): Paulo Lemos
Cenografia: José Caldas
Figurinos: Joana Soares e José Caldas
Apoio Coreográfico: António Carvalho
Construção Adereços: Artur Rangel (Quinta Parede)
Desenho de Luz: José Caldas e José Raposo
Confeção Figurinos: Adélia Agra
Confeção Adereços: Sameiro Fernandes
Produção Executiva: Joana de Sousa
Fotografia: José Carlos Marques
Horário:

22h00

Local:
Teatro Diogo Bernardes
Preço:
Os bilhetes (4,00€) estão disponíveis na bilheteira do Teatro Diogo Bernardes e na bilheteira eletrónica no seguinte Link: (https://www.bol.pt/Comprar/Bilhetes/96869-bichos_de_miguel_torga_pela_companhia_certa-teatro_diogo_bernardes/).
 
O número máximo de entradas a adquirir na bilheteira física, apenas no caso de existirem filas, será de 4 bilhetes por pessoa, cumprindo-se a lotação estabelecida em cumprimento do Plano de Contingência Covid-19, de acordo com a planta da sala adaptada em função do mesmo (https://www.facebook.com/teatro.diogo.bernardes/photos/pcb.3457943540904166/3457846717580515).
 
- Lugares individuais na plateia e para coabitantes (2, 3 e 4 lugares) nas frisas e camarotes.
 
- Os bilhetes para as frisas e camarotes serão vendidos em bloco, na totalidade dos lugares.
 
Maiores de 6 anos.
 
Duração Aproximada: 60m
 
Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 258 900 414 ou pelo email teatrodb@cm-pontedelima.pt.
Informação adicional:

MUITO IMPORTANTE:
- As portas abrirão, pelo menos, uma hora antes do início dos espetáculos e pede-se aos espectadores que compareçam mais cedo, com, pelo menos, meia-hora de antecedência para se efetuarem todos os procedimentos de segurança.
- Os espetáculos terão início à hora marcada.
- Não será permitida a entrada após o início dos espetáculos.
- Os espectadores devem cumprir rigorosamente todas as instruções dos assistentes de sala, devidamente identificados e em nenhum caso poderão trocar de lugares ou deslocar-se pelo recinto sem motivo justificado.
- No final de cada espetáculo, os espectadores deverão, obrigatoriamente, permanecer sentados nos seus lugares até serem instruídos pelos assistentes de sala para abandonar o recinto, por local diferente da entrada, de forma disciplinada e respeitando o distanciamento físico.

POR FAVOR, NÃO ESQUEÇA:
- É obrigatório o distanciamento físico de 2 metros no acesso ao recinto e às bilheteiras (a lotação da bilheteira do Teatro Diogo Bernardes é de 1 pessoa).
- É obrigatória a medição de temperatura de todos os presentes, sem registo escrito, à entrada do recinto.
- É obrigatória a higienização das mãos à entrada no recinto.
- É obrigatório o uso de máscara por parte do público durante todo o tempo dos espetáculos.
- A abertura do teatro será antecipada para assegurar o acesso atempado ao mesmo, devendo os espectadores dirigir-se de imediato aos lugares indicados pelos assistentes de sala, cumprindo rigorosamente as instruções dos mesmos.
- A permanência nos locais de atendimento deve ser limitada ao tempo estritamente necessário à realização do atendimento.
- O bar do Teatro Diogo Bernardes encontra-se encerrado.
- Nas instalações sanitárias, feminina e masculina, apenas serão permitidas duas pessoas em simultâneo, situação que será sempre controlada por um assistente de sala à entrada das mesmas.
- Não será permitida a permanência de espectadores no interior do Teatro Diogo Bernardes após o final dos espetáculos.

Agradecemos a colaboração de todos para continuarmos a oferecer Serviço Público de Cultura.