Passar para o Conteúdo Principal Top
Logótipo

municipio

As Portadas na Arquitetura Civil do Concelho de Ponte de Lima: Estruturas, Funções e Significados

Publicações
Imagem 1 1024 2500
04 Março 2011

PAIVA, Maria Amélia da Silva - As portadas na arquitetura civil do concelho de Ponte de Lima: estruturas, funções e significados. Ponte de Lima: Município de Ponte de Lima, 2011. 317 p. ISBN: 978-978-8846-36-7.

  • Preço: €20,00 (inclui o valor da taxa de IVA legal em vigor)
  • Como encomendar: contacte-nos através do e-mail: arquivo@cm-pontedelima.pt

Apresentação

Ainda me lembro de se dizer e não vai há muito tempo, que casa de fidalgo tem que ter capela e portão. Ajuizava-se, assim, da proeminência social de uma família pelo aparato da sua morada. Mas quantas vezes esse aparato se resumia apenas ao pálido brilho da ribalta, deixando o palco envolto na penumbra da vulgaridade. No desfiar das gerações, cada família teve o seu auge, o seu pico de glória, registado no ornamento do seu património, que se assumia como apanágio da estirpe, a conservar para memória futura.

A limitação dos proventos raramente satisfazia a prosápia dos senhorios, esgotando-se os recursos nas obras de fachada, sem que se garantisse, muitas vezes, as condições mínimas de conforto e de bem-estar. Por isso, não era invulgar que a construção ou a reforma de uma casa fosse precedida por um portão, onde o proprietário procurava satisfazer, prioritariamente, as suas necessidades de afirmação. O portão não era só o proscénio da grande cena, era a imagem que se retinha, já que a maior parte dos que o viam dificilmente o transpunham.

Tem o maior interesse, portanto, o estudo circunstanciado destes portões, quer do ponto de vista da caracterização formal e da sua evolução ao longo do tempo, quer ainda do modo como evidenciam as relações sociais e culturais dos seus encomendantes.

A primeira perspetiva deu corpo ao excelente trabalho que constituiu a Dissertação de Mestrado apresentada na Faculdade de Letras da Universidade do Porto pela Drª Maria Amélia Paiva e que o Arquivo de Ponte de Lima inclui agora como quarto título na sua série "Estudos e Documentos". A segunda decorrerá certamente do levantamento dos principais fundos documentais públicos e privados da região, que o Arquivo de Ponte de Lima tem em curso há quasi trinta anos e que oportunamente dará à estampa.

O estudo da Drª Maria Amélia Paiva é pioneiro nesta matéria, é o primeiro trabalho de fôlego sobre o portão de aparato, ou a portada, como o designa na sua dissertação. Numa perspetiva generalizada e abrangente, embora o domínio se circunscreva apenas ao concelho de Ponte de Lima, faz a primeira tentativa de sistematização formal das portadas e deduz um conjunto de inferências muito interessantes. Mas acrescenta também um inventário muito completo das principais portadas do nosso concelho, com uma circunstanciada caracterização individual, que inclui a leitura heráldica das respetivas pedras de armas. Um trabalho a todos os títulos notável, que será referência obrigatória em futuras investigações. Um trabalho que o Arquivo de Ponte de Lima se orgulha de publicar.

João Gomes d'Abreu

Ponte de Lima, janeiro de 2011